Informações da página

Você está em: Página Inicial > Comunicação > Notícias

Início do conteúdo

Campus constitui parceria internacional para o desenvolvimento de pesquisa relacionada ao manejo do solo

O Campus Sertão firmou uma parceria internacional com a Universidade de Purdue, do oeste de Lafayete, nos EUA, para o desenvolvimento de pesquisas. O setor de mecanização do Campus buscou a parceria com o USDA-ARS National Soil Erosion Research Laboratory, daquela Universidade, para construir uma nova adaptação do manejo de plantio direto brasileiro, com o intuito de reduzir problemas surgidos em relação a compactação do solo.

Esta parceria, além da geração de informação técnica e tecnológica na área, fortalecerá o contato para futuros projetos de pesquisa e, bem como, a execução de programas de pós-doutoramento por professores da instituição. A parceria contará, também, com o apoio da Embrapa Trigo e do Departamento de Solos da Universidade Federal de Santa Maria, onde será realizada parte da pesquisa proposta pelo professor doutor do Campus Sertão, David Peres da Rosa, e o Doutor Darrell Loyid Norton, da Purdue University.

Foi através do orientador do doutorado do professor David, que fez doutorado e pós-doutorado na Universidade de Purdue, além de ter trabalhado na instituição, que surgiu a proposta de parceria.

De acordo com David, a compactação do solo se tornou um problema crescente na agricultura brasileira em função do uso intensivo dos solos agricultáveis. "Esses problemas vêm sendo potencializados por três fatores principais: o não revolvimento do solo, restrito à linha de adubação na semeadura (em torno de 0,13 m); teor de água inadequado quando na implantação e colheita das culturas e utilização inadequada da pressão de insuflagem dos pneus agrícolas", explica David.

Segundo ele, a proposta de modificação do sistema do plantio direto vem sendo empregada há mais de cinco anos no EUA, e está vulgarmente chamada pelos agricultores e fabricantes de máquinas como "plantio direto modificado ou Nu-till", diferente do plantio direto (No-till), e vem demonstrando bons resultados. "Esta nova adaptação é realizada através da instalação de alguns mecanismos na semeadora que ao se deslocar sobre o solo, promovem uma mobilização superficial numa faixa ao redor da linha de plantio, deixando ainda a superfície do solo coberta, idealizado pelo sistema de manejo. Esta região onde trabalha os mecanismos sofre uma mobilização que é responsável pelas alterações físicas, químicas e biológicas benéficas ao solo", cita.

Com a pesquisa que será realizada pelo setor de mecanização, busca-se verificar se é viável ou não tal tipo de adaptação para as condições da região.

Os mecanismos já estão no Campus e serão instalados na semeadora agrícola ainda este ano, envolvendo a participação de estudantes do curso de Engenharia Agronômica na execução do projeto.

 

Veja mais

Final do Conteúdo Ir para as informações da Página

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Câmpus Sertão

Rodovia RS 135, Km 25 | Distrito Eng. Luiz Englert | CEP: 99170-000 | Sertão/RS

E-mail: comunicacao@sertao.ifrs.edu.br | Telefone: (54) 3345-8000 | Fax: (54) 3345-8006/8022/8003